zhursulachristinisaudereconduza.crenças.determinação.qualidadedevida.felicidade.bemestar.artigo.opiniao.ursula.zh

 

Por que será que temos tanta dificuldade em compreender que a saúde é o bem mais precioso que possuímos? Às vezes, quando estamos doentes, prometemos ser mais cuidadosos, mas quando menos nos damos conta já estamos de novo desrespeitando os horários de descanso e sono e alimentando-se de forma inadequada.

Longe de ser pessimista, mas não custa lembrar que um dia a conta vem.

Sabemos que refrigerante não só faz mal para a saúde, mas que mata lentamente, e continuamos bebendo. Sabemos que o álcool é extremamente maléfico, podendo causar dependência química e psíquica e mesmo assim seu uso é estimulado indiscriminadamente.

Como pode? Nosso corpo tão sensível a ingredientes artificiais, e continuamos ingerindo? Somos chamados de racionais, e nos alimentamos dessa forma, tão irracional.

E mais, não bastasse a alimentação inadequada, trabalhamos excessivamente. Aí poderia se dizer: “quem precisa trabalhar para viver, não tem outra opção”. Pode ser. Mas e tantos outros que podem diminuir o ritmo e não o fazem? Em nome de quê? Proporcionar melhores condições para a família? Quantas pessoas estão detonando suas vidas?

Longe de ser pessimista, mas não custa lembrar que um dia a conta vem. E o preço cobrado invariavelmente será a saúde: não há dúvidas sobre isso. Por isso, vamos colocar em prática hábitos saudáveis.

Mas a pergunta que provavelmente surja é: “Como fazer?”.

 Uma boa maneira é internalizamos esse conhecimento. Escolher uma ideia, acreditar e apostar nela para conduzir nossas ações.

Quando conseguimos internalizar a ideia, torna-se mais fácil de colocá-la em prática. Mas se a informação ficar apenas no nível do conhecimento, continuamos com os mesmos condicionamentos.

Precisamos mostrar para nós mesmos, consciente e inconscientemente, racional e emocionalmente o quanto determinada conduta é importante em nossa vida. Só assim, com esse conhecimento internalizado, teremos força, energia e motivação necessária para o processo de mudança.

Vamos rever nossos hábitos e internalizar as ideias das mudanças necessárias para uma vida mais saudável, pois afinal, saúde é vida!

Úrsula Petrilli Dutra Christini

Esse Texto foi publicado originalmente na Gaúcha ZH Opinião